Já parou para pensar qual é o seu bem mais precioso?

Não é o seu carro, a sua casa, o dinheiro que tem na conta, as suas relações ou até mesmo a sua saúde…

O seu bem mais precioso é o seu tempo!

Ele é o único que depois de gasto não volta a recuperar. O dia de hoje já passou.

Aliás, à medida que vai lendo este texto, vai deixando momentos para trás, o momento eu que os seus olhos posaram nas letras, leram a mensagem que aqui deixo ou o faço pensar… isso já foi!

Mas já que está a dar-me este seu bem precioso, que tal fazer dele um investimento?

Não leia apenas e retenha a informação, utilize-a!

Pense no seu tempo e como o tem investido.

Repare numa coisa, desde que nasceu, tudo na sua vida foi perdendo e recuperando:

– Em certas alturas teve mais dinheiro que noutras, por vezes fez melhores investimentos que outros, em certos empregos foi mais bem remunerado que em outros, o seu dinheiro foi e voltou e quando não o tem, existe sempre uma forma de o recuperar, fazer crescer ou utilizar mais sabiamente;

– Os seus relacionamentos também são cíclicos: perdeu amigos e ganhou outros, terminou relações e começou outras, afastou-se das pessoas e voltou a criar laços mais fortes. A vida traz-lhe oscilações nos seus relacionamentos e permite que os melhore, que os termine, que os recomece;

– Os seus bens também não são estanques: compra casa, compra caro, compra roupas, sapatos, acessórios, desfaz-se de tudo isso e volta a adquiri-los novamente segundo os seus novos desejos, necessidades e possibilidades;

– A sua saúde também é algo que pode controlar: pode comer melhor, beber mais água, fazer exercício físico, diminuir o stress, procurar um médico ou tratamentos alternativos e dessa forma recuperar a saúde que foi perdendo com as suas más escolhas;

Mas o tempo é único…

O tempo que investir ou que gastar, nunca mais vai conseguir recuperá-lo.

A cada dia, hora, minuto e segundo que vive, está a investir ou a gastar o seu tempo.

Mas já reparou que achamos normal que uma pedra rara custe milhões, mas não avaliamos o nosso tempo da mesma forma?

Já se perguntou quanto custa o seu tempo?

Que tipo de desperdício está disposto a fazer com ele?

Se anda a investi-lo ou a gastá-lo?

Porque um investimento, tem de ter como contrapartida um retorno.

 E esse retorno não pode ser mais do que ser feliz e aproveitar de forma plena e equilibrada todas as outras coisas que são cíclicas, mas que fazem parte da sua vida: a saúde, os relacionamentos, o dinheiro e os bens materiais.

Por isso, peço-lhe que agora, neste exato momento, invista o seu tempo numa pequena pausa, para repensar e reorganizar este seu bem raro.

Não pense nos minutos que gastou, esses já foram, retenha apenas as aprendizagens que esse investimento passado lhe trouxe, para que consiga fazer um melhor investimento futuro.

Mas também não pense nos minutos que ainda não chegaram. Não tente acelerar o tempo. Pois o futuro será o resultado do investimento que fizer com o tempo que tem realmente nas suas mãos: o presente.

Invista minuto a minuto na sua felicidade.

Perceba que só o agora existe, o passado já foi e o futuro ainda não chegou.

Aliás, existe uma coisa que o mestre Shifu diz, no filme de animação Kung Fu Panda, que é também um provérbio chinês, que eu acho que exemplifica exatamente isto:

“Estás demasiado preocupado com o que foi e com o que há de ser. Ontem é história, amanhã é um mistério, mas hoje é uma dádiva, por isso é que se chama presente!”

Abrace o seu agora, receba-o como um presente, pois ele é a melhor oferta que poderia alguma vez ganhar.

E utilize-o com sabedoria, com gratidão e com foco na sua felicidade, pois ela é o verdadeiro propósito da vida!

Leave a Reply

×