A felicidade é definida como um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio a todos os níveis. É o estado de quem é feliz e que produz uma sensação de bem-estar. É um momento de desconexão face ao sofrimento.

Neste momento que estamos a atravessar e devido a todo o sofrimento que causa a nível mundial, existem muitas pessoas a culpabilizar a felicidade. Sentem que não nos encontramos numa altura propícia para nos sentirmos felizes. Sentem quase como se isso fosse uma afronta a quem está a sofrer e à quantidade de pessoas que se encontram nesse estado.

Mas é exatamente o contrário disto que devemos fazer. Devemos encontrar a felicidade em todas as coisas que nos rodeiam, até nas mais pequenas e aparentemente insignificantes.

É exatamente a felicidade, a esperança e a presença positiva que nos fazem ultrapassar os obstáculos de forma serena e equilibrada.

O importante é percebermos de que forma devemos encarar esta situação, como a ultrapassamos da melhor forma e o que podemos aprender com ela.

Aliás, devemos aproveitá-la como uma oportunidade de crescimento e evolução, pois são os desafios que nos permitem aprendizagem e nunca fomos desafiados de igual modo, por isso a possibilidade de desenvolvimento e transformação é imensa.

Vamos ter possibilidade de nos conhecermos melhor, de descobrir as nossas forças e limites, as nossas prioridades e o que realmente nos faz feliz.

E ser positivo, como qualquer outra habilidade, é algo que se pode desenvolver, desde que se queira fazê-lo e desde que o façamos de forma consciente e contínua.

Sei que não é fácil, exige prática e dedicação. Exige que sejamos nós a tomar conta dos nossos pensamentos e não a deixarmos que sejam eles a dominarmo-nos. Exige conhecermo-nos de forma profunda e olharmos não só para os pontos de luz, mas acima de tudo para os pontos de sombra. Mas é possível…

E para o ajudar neste exercício, deixo-lhe algumas dicas, que poderão apoiá-lo neste momento de pandemia:

– Limite a quantidade de informação à qual se expõe;

– Comemore todas as pequenas vitórias, sejam elas profissionais, pessoais ou da comunidade que o rodeia;

– Tenha consciência da existência do seu crítico interno, pois só mudamos e controlamos aquilo que reconhecemos;

– Foque-se apenas naquilo que faz parte da sua área de controlo e influência, o que está fora dela é uma batalha que deve ser travada por outros;

– Nunca perca a esperança, pois no meio da incerteza, existe algo que é um facto: isto vai passar;

– Reconheça as aprendizagens que vêm com os desafios, não se feche para elas. Permita que esta seja uma oportunidade de se tornar mais forte e preparado para outros obstáculos que tenha de enfrentar;

– Sempre que tiver oportunidade, ocupe a sua mente com tarefas que lhe deem prazer. Isto vai libertar hormonas que aumentarão a sua sensação de bem-estar;

– Aproveite para começar algum projeto que estava a adiar. Isto ajudará a preencher os seus vazios internos e a aumentar a sua motivação;

– Ponha os seus relacionamentos em ordem: ligue a quem tem de ligar, diga o que necessita de dizer ou que ainda está por dizer;

– Dentro dos possíveis, faça coisas que o remetam à normalidade. Mantenha rotinas e seja criativo para adaptar certas rotinas que ficaram condicionadas;

– Pratique o sentimento de gratidão. Seja grato pelas pequenas coisas todos os dias. Isto vai aumentar os seus níveis de felicidade;

– Medite. Não precisa de se tornar um monge budista, mas se o fizer alguns minutos todos os dias, começará a estar mais focado no presente e acalmará a sua mente perante as inquietações.

 

Fique bem, fique positivo!

Leave a Reply

×